Advertisement
  1. Game Development
  2. Game Design
Gamedevelopment

Narrativa interativa: Por que e como contamos histórias

by
Length:MediumLanguages:

Portuguese (Português) translation by Jonathan Ramos (you can also view the original English article)

Contando histórias

Uma das principais atividades da humanidade é contar histórias. Todos nós contamos histórias.

Quando descrevemos o dia que acaba de passar para o nosso parceiro durante o jantar, estamos contando uma história. Quando estamos no bar com nossos amigos e listamos os problemas que estamos tendo no trabalho, estamos contando uma história.

Todos os dias, também somos ouvintes passivos das histórias de outras pessoas.

Quando lemos um livro, o autor nos conta uma história. Quando assistimos a um comercial na televisão, os anunciantes nos contam uma história. Quando ouvimos uma música, o cantor nos conta uma história.

Se você parar pra pensar, todos os dias criamos e ouvimos histórias. O mundo inteiro é uma espécie de cacofonia de histórias sendo misturadas e passadas de uma pessoa para outra, em uma espiral interminável de histórias, contos e anedotas.

Somos histórias contando outras histórias.

Todas essas histórias estão sendo contadas e ouvidas porque contar histórias é uma necessidade.

Sempre foi.

Desde o começo da humanidade, o homem contou histórias.

Contar histórias é uma atividade que a humanidade vem fazendo desde que a linguagem e a escrita foram inventadas.

Rock paintings

Mas qual é o nosso propósito quando contamos histórias? E como tudo isso pode ser aplicado à criação de um videogame?

A série de artigos sobre narrativa interativa lidará com este tópico, examinando os mecanismos da narrativa clássica e moderna, e fornecerá ferramentas para contar uma história interativa.

Por que contamos histórias?

Contar histórias pode ter diferentes significados e objetivos. As vezes, uma história é uma maneira de dizer um fato; às vezes é uma maneira de exorcizar nossos medos; em outros casos, alguém conta uma história apenas por diversão.

Contar histórias é uma maneira de expressar nossa personalidade e criatividade e mostrar aspectos de nossos pensamentos que não poderíamos expressar de outra forma.

De fato, contar histórias e comunicar fatos são dois assuntos muito diferentes.

Quando estamos nos comunicando e apresentando os fatos, simplesmente expomos os eventos pertinentes. Isso é o que os jornalistas fazem, por exemplo: eles apresentam os fatos como eles aconteceram, sem detalhes pessoais, opiniões ou sentimentos. Desta forma, os ouvintes podem formar sua própria opinião.

Mas quando estamos contando uma história, a narrativa se torna pessoal: nós adicionamos nossas opiniões (mesmo que apenas indiretamente, através de um olhar ou tom de voz - ou, se você é italiano como eu, usando gestos), enfatizamos detalhes que são importante para nós, e geralmente filtramos os fatos através da nossa maneira de ver as coisas e nossa formação cultural.

De alguma forma, nós personalizamos a história que estamos contando para que nosso público receba a mensagem que queremos transmitir, e não apenas uma lista de eventos. Nós não queremos que nossos ouvintes tenham suas próprias opiniões; nós queremos, em primeiro lugar, dar-lhes as nossas.

E fazemos isso porque queremos que nossa narrativa cause uma resposta.

Why We Tell Stories

Fonte: http://www.onespot.com/blog/infographic-the-science-of-storytelling/

Queremos que as pessoas que ouvem nossa história se divirtam, se sintam comovidas, simpatizem com a gente, fiquem com raiva ou nos consolem. Mesmo quando não somos o assunto da história, nós a contamos para criar uma reação emocional na outra pessoa - talvez para compartilhar um sentimento.

Deixe-me lhe dar um exemplo

Caso 1: você está em um pub sentado ao lado do bar, assistindo à TV. O jornalista está contando as notícias sobre a corrupção de um importante empresário e explica que, como consequência, muitos trabalhadores vão perder seus empregos.

Resposta: as informações são apresentadas de maneira neutra e você as processa de acordo com sua situação pessoal e decide como responder. Se você é um trabalhador, vai sentir empatia e raiva. Se você é escritor, pode ficar curioso e talvez queira escrever um artigo sobre a história.  Se você é um empresário rico, talvez esteja se perguntando sobre a possibilidade de assumir facilmente os negócios do homem corrompido. Seja qual for a resposta, depende de você.

An example of a story

Caso 2: alguns minutos depois, um homem chega e senta ao seu lado no bar. Ele começa a falar e lhe diz o quanto está desesperado porque é um dos trabalhadores que estão perdendo seus empregos, e ele tem uma filha no ensino médio e uma hipoteca para pagar.

Resposta: as informações são agora apresentadas a você da maneira que o seu interlocutor pretendia. Sua história está cheia de raiva e decepção. Você a processa de acordo com sua situação pessoal, mas é influenciado pela forma como a história foi contada. Sua resposta pode ser semelhante à descrita no primeiro exemplo ou, poderia ser totalmente diferente, dependendo de como o homem contou essa história.

Quanto melhor o narrador é em contar histórias, mais ele poderá afetar quem está ouvindo.

An example told from a narrator

Então, resumindo, podemos dizer que contamos uma história para transmitir uma mensagem com o objetivo de provocar uma resposta em quem está ouvindo.

Como contamos histórias

As ferramentas de negociação

Usamos ferramentas para contar nossas histórias: essas ferramentas não são apenas lápis e papel ou um microfone. Como veremos em mais detalhes, há ferramentas que costumamos usar sem perceber.

Por exemplo, a modulação de voz enquanto conta uma história é uma ferramenta. Enfatizar uma palavra e acelerar ou desacelerar a narrativa é um meio de coagir nossos ouvintes a responder da maneira que queremos. Como narradores, temos o poder de direcionar as reações de nossos interlocutores em direção ao objetivo desejado.

Como narradores profissionais (porque esses artigos são exatamente para dar dicas para que você possa aplicar os conceitos de contar histórias a produtos como videogames), temos o dever de fazê-lo.

Não podemos escrever uma história sem saber onde queremos levar os jogadores ou que tipo de reação queremos provocar neles: caso contrário, nossa narrativa será muito fraca.

E, para aproveitar ao máximo, temos que dominar corretamente as ferramentas à nossa disposição.

Experiências Interdisciplinares

O primeiro grupo de ferramentas são experiências interdisciplinares. Como narradores de um videogame, podemos explorar uma grande quantidade de coisas para contar histórias. Música de fundo, luzes em uma cena ou a correção cromática aplicada à câmera do jogo.

Mas, para usar essas ferramentas, precisamos conhecê-las. O primeiro conselho que posso dar a você, então, é dar a si mesmo um punhado de cada uma dessas ferramentas. Você é um designer de jogos, não é um artista ou um designer de som. No entanto, você não pode estar totalmente inconsciente de como suas ferramentas funcionam. Ignorar as regras básicas da direção fará com que você escreva uma cena sem ritmo ou usando ângulos não apropriados para transmitir a mensagem pretendida ao jogador.

Claramente, se você trabalha em uma equipe muito grande, haverá pessoas que se especializarão nessas áreas - e elas decidirão, provavelmente, os resultados finais em relação a esses aspectos. No entanto, ter algum conhecimento nesses campos permitirá que você crie um terreno comum e se envolva construtivamente com eles, e sugira como é sua visão como autor da história.

Por exemplo, se você quiser transmitir medo, ansiedade ou desconforto durante a sequência do jogo, poderá usar certos tipos de sons de fundo ou dar à câmera um ângulo específico. Mas, para isso, você precisa saber como o ajuste do ângulo da câmera pode afetar a resposta do jogador. Tudo isso faz parte da narrativa: câmera, música, sons, cores, são ferramentas para explorar.

A screenshot from Journey

O jogo journey conta a história com imagens e cores.

Então, quanto mais você souber sobre isso, melhor.

Experiências de vida

O segundo grupo de ferramentas são experiências de vida. Quando eu leciono design de jogos, uma das primeiras coisas que noto é que os alunos pensam em si mesmos como potencialmente bons designers de jogos, porque eles jogam muito. É claro que jogar com frequência e conhecer o mercado relevante é essencial. Mas apenas jogar fará de você um narrador pobre, pois você tenderá a repetir o que viu no jogo de outra pessoa.

Em vez disso, fazer coisas diferentes do jogo aumentará seu conhecimento e cultura.

Um dos segredos de contar uma boa história é saber a quem você está se dirigindo. E, como resultado, ajustar a maneira como você conta a história para que ela afete o público-alvo o máximo possível.

Agora, se o seu público-alvo é formado por pessoas apaixonadas por ópera, uma das primeiras coisas que você terá que fazer é assistir a dez apresentações em um teatro de ópera. E não apenas isso. Você terá que fazer caminhadas, remar uma canoa, pintar uma foto.

Por quê?

Porque você aprenderá novas e diferentes ferramentas e formas de lidar com a narrativa que ampliarão suas possibilidades na narrativa. Quanto mais você souber, e quanto mais você estudou ou tentou, melhor você será em contar uma história.

Homem e animais

Criando histórias

Uma das principais diferenças entre o homem e o animal é a capacidade de contar uma história. Muitos animais são capazes de se comunicar entre si e transmitir uns aos outros informações sobre a localização dos alimentos ou uma fonte de perigo.

No entanto, exatamente como fazemos, os animais são capazes de contar histórias. Um animal pode contar-se uma história através dos sonhos, enquanto dorme. Recentemente observei meu gato. Quando ele está dormindo, muitas vezes ele faz os mesmos barulhos e movimentos na boca que ele faz enquanto procura insetos pela casa. Eu fiz uma pequena pesquisa e encontrei pesquisas que mostram que os gatos sonham coisas que nunca aconteceram.

Mas a grande diferença dos nossos sonhos é que os animais não podem inventar usando sua imaginação. O sonho deles, mesmo que nunca tenha acontecido, é baseado em fatos reais. Nós, ao contrário, somos livres para sonhar e inventar histórias baseadas em coisas que não apenas nunca aconteceram, mas que não podem acontecer (levante a mão se você nunca sonhou em ter algum tipo de super poder!)

A imaginação, portanto, é a terceira ferramenta à nossa disposição para contar histórias: podemos inventá-las e torná-las incríveis - às vezes até que nosso ouvinte esteja convencido de que o que estamos dizendo é a verdade. Eu acho que a política é baseada nesse princípio... mas eu não sou um grande especialista em política.

Cooperação

A outra grande diferença entre nós e os animais é a capacidade de construir sobre as ideias dos outros, de forma colaborativa.

Por exemplo: uma formiga é capaz de dizer a outra formiga: "Há mais alimento nessa direção". Mas uma terceira formiga, olhando para a conversa, não pode acrescentar: "E se você for ainda mais longe, encontrará água". A terceira formiga, para expressar sua mensagem, terá que começar uma nova conversa do zero. Isso pode parecer uma pequena limitação, mas na verdade é a razão pela qual a humanidade tem conseguido alcançar um progresso científico tão grande. Porque quando estudamos algo, partimos do que os outros estudaram e demonstraram e nos disseram, por exemplo, através de um livro. Não precisamos começar do zero e podemos nos concentrar no próximo passo.

Esta é uma maneira de contar histórias cooperativamente. A cooperação, que é nossa quarta ferramenta, é uma forma de interação.

E podemos definir interação como esta: uma troca recíproca de informações entre duas partes, através de um meio.

Histórias em videogames

Finalmente, após esta longa premissa, podemos lidar com o coração do assunto: por que e como contar histórias em um videogame. Nós deixamos claro o que significa contar histórias, qual é o propósito da narrativa e quais ferramentas podemos usar, e também definimos a palavra interativa. Isso é realmente importante porque, com o nascimento dos videogames, uma forma de narrativa anteriormente considerada “experimental” tornou-se realmente um dos tipos mais populares e relevantes de narrativa contemporânea: narrativa interativa.

E esta é a razão pela qual a narração de histórias nos videojogos é tão importante: porque a forma como você pode contar histórias em um jogo, você não tem um melhor jeito de contar uma história melhor que esse.

De fato, os videogames permitem organizar mensagens e provocar reações tão complexas e tão poderosas que tornam a narrativa uma experiência única e, em muitos aspectos, nova.

Interactive Story Telling on Netflix

Sim, é claro, o narrativa interativa será uma das novas "grandes coisas" no futuro.

Conclusão

O homem tem contado histórias desde sempre, mas apenas com videogames ele começou a contar histórias interativas.

Mas como é uma narrativa clássica? E como uma narrativa em jogos é diferente de uma narrativa clássica? Finalmente, quantos tipos de narração interativa existem?

O próximo artigo responderá essas e outras perguntas.

Advertisement
Advertisement
Looking for something to help kick start your next project?
Envato Market has a range of items for sale to help get you started.